terça-feira, 19 de abril de 2011

Obras dos BRTs Transoeste e Transcarioca, em andamento no Rio

Com cronograma reajustado, capital carioca retoma os prazos da Matriz de Responsabilidades
Transcrito do texto de:Vanessa Cristani 
Rio de Janeiro/BR.
Com mais de 4,5 milhões de veículos, incluindo neste total 3,2 milhões só de automóveis (dados do Denatran), a cidade do Rio de Janeiro enfrenta hoje sérios problemas de trânsito. Para melhorar esta situação, diversas obras de mobilidade estão sendo planejadas, uma já pronta (BRS), outras (BRTs e ciclovias) em andamento ou previstas para começar em breve.
A primeira mudança, já implantada, é o sistema BRS (Bus Rapid Service), inaugurado no dia 19 de fevereiro na avenida Nossa Senhora de Copacabana, na zona sul da cidade. Segundo os órgãos de trânsito, pela famosa avenida passam cerca de 21 mil veículos por hora, no horário de pico. O BRS é um sistema de faixas exclusivas de trânsito, organizadoras da circulação de ônibus, táxis e automóveis. No caso, a via foi dividida em quatro faixas, sendo duas do lado direito, destinadas somente ao transporte público, e duas à esquerda, para os demais veículos.
Mas o novo sistema ainda não é visto com bom olhos pelos motoristas de carros particulares, que reclamam do aumento do tempo de espera no trânsito. Já a Secretaria Municipal de Transporte (SMTR) rechaça as críticas, alegando que, com o corredor, 25% da frota de ônibus do bairro pode ser reduzida, com que a travessia dos 3,2 km da via por ônibus caindo pela metade.
Os técnicos da prefeitura afirmam que, se antes o motorista levava de 22 a 24 minutos para cruzar a avenida, agora esse tempo se reduziu a 10, 13 minutos. Para os agentes de trânsito e a guarda municipal da prefeitura outro fator positivo é o número de multas, que também abaixou depois do BRS, em função, alegam as autoridades, do respeito dos motoristas às novas regras de circulação na avenida.
BRTs na Matriz de Responsabilidades
Além do BRS de Copacabana, a prefeitura prepara a cidade para receber a Copa e as Olimpíadas com a implantação de BRTs (Bus Rapid Transit), corredores expressos exclusivos para ônibus articulados. Dos quatro BRTs projetados, dois já saíram do papel: o Transoeste (Barra/Santa Cruz/Campo Grande) e o Transcarioca (Barra da Tijuca/Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador).
Outro BRT, o Transolímpico (Recreio dos Bandeirantes/Deodoro), entrará em processo de licitação este semestre, anuncia a prefeitura. Resta o TransBrasil, que percorrerá a avenida Brasil, uma das principais vias da cidade, ainda sem data prevista para iniciar.
Transoeste e Transcarioca
A mais adiantada obra viária da cidade é o BRT Transoeste. A abertura do túnel da Grota Funda, na zona oeste, em julho do ano passado, marcou a inauguração do primeiro trecho da obra. Em abril, a Secretaria Municipal de Obras (SMO) promete concluir os trabalhos de implantação de um viaduto sobre a avenida das Américas, no cruzamento com a avenida Salvador Allende, na Barra da Tijuca.
Além disso, a SMO publicou no Diário Oficial da última terça-feira (29/3) o anúncio de licitação para a construção do lote 4 do corredor Transoeste, com previsão para ocorrer em maio. A estimativa de custo deste lote é de R$ 72 milhões, sendo o valor total da obra R$ 800 milhões. O corredor de 56 km está previsto para ser concluído em junho de 2012.
Já o corredor TT, também chamado de Transcarioca (custo aproximado de R$ 1,3 bilhão), foi dividido em dois lotes de obras, a serem concluídos em três anos. O lançamento do primeiro trecho (Barra da Tijuca, bairros da zona oeste e bairros da zona norte), de 28 km, ocorreu no mês passado. O corredor T5 terá ao todo 39 km e transportará cerca de 400 mil passageiros por dia.
A expectativa da prefeitura é de uma redução de 60% no tempo gasto no trajeto entre a Barra e a Ilha do Governador, passando por bairros da zona norte como Madureira e Penha. Dentro de uns 40 dias deve ser conhecido o consórcio que tocará as obras do segundo trecho (Penha ao aeroporto).
Originalmente as obras da Trancarioca deveriam ter começado em maio de 2010, com conclusão em março de 2013. Isto é o que definia o primeiro termo firmado na Matriz de Responsabilidades. Fosse assim, estaríamos vendo um atraso de quase um ano no cronograma. No entanto, informa a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Transportes, as metas foram revistas, e novos prazos foram acordados entre governo e Fifa. As datas estão sendo cumpridas, e são: início das obras em março de 2011 e prazo final mantido para daqui a três anos.
Ciclovias orçadas
Outro modal de transporte que está sendo estimulado pelo governo do Rio é a bicicleta. Segundo a Secretaria de Conservação e Serviços Públicos já está orçada uma obra de cerca de R$ 2,5 milhões para recuperar e revitalizar os 144,3 km de ciclovia existentes na cidade. Espera-se com isso prolongar a vida útil das ciclovias e aumentar o conforto e segurança dos usuários. Segundo a secretaria, o programa ainda inclui o restauro de todo o mobiliário urbano do entorno das ciclovias, como bicicletários, frades e gradis, além de instalação de sinalização horizontal e vertical.
Obras e prazos previstos na Matriz de Responsabilidade
Obra Início obras Conclusão_BRT Corredor T5 (Aeroporto/Barra) Mar 2011 Mar 2014*
*Os prazos originais (revistos) do corredor T5 eram: mai/2010 (início) e mar/2013 (conclusão)
Fonte: Ministério do Esporte/Matriz de Responsabilidade

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...